quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Poema: "Trem de Ferro", de Manuel Bandeira.


Hey pessoal, como estão? \o/

     Hoje trago uma poesia muito interessante - mas muito mesmo - e que eu gosto bastante e tenho certeza que vocês vão gostar também. Trem de Ferro, de Manuel Bandeira, é uma poesia cheia de ritmo e de movimento. Hã? Como assim?
     Pois então, o som a poesia, quando declamada, se parece realmente com o som de um trem começando a percorrer os trilhos. E a letra da poesia - que é muito bonita, por sinal - contém toda a paisagem que pode ser vista da janela em uma viagem de trem.
     Curiosos? Separei até um vídeo para que vocês compreendam melhor! Então bora conferir!


Trem de Ferro 

Café com pão 
Café com pão
Café com pão

Virge Maria que foi isso maquinista?

Agora sim
Café com pão
Agora sim
Voa, fumaça
Corre, cerca
Ai seu foguista
Bota fogo
Na fornalha
Que eu preciso
Muita força
Muita força
Muita força
(trem de ferro, trem de ferro)

Oô...
Foge, bicho
Foge, povo
Passa ponte
Passa poste
Passa pasto
Passa boi
Passa boiada
Passa galho
Da ingazeira
Debruçada
No riacho
Que vontade
De cantar!
Oô...
(café com pão é muito bom)

Quando me prendero
No canaviá
Cada pé de cana
Era um oficiá
Oô...
Menina bonita
Do vestido verde
Me dá tua boca
Pra matar minha sede
Oô...
Vou mimbora vou mimbora
Não gosto daqui
Nasci no sertão
Sou de Ouricuri
Oô...

Vaou depressa
Vou correndo
Vou na toda
Que só levo 
Pouca gente
Pouca gente
Pouca gente...
(trem de ferro, trem de ferro)
                                                                           --  Manuel Bandeira


E aí, gostaram? Espero que sim! hahaha Em breve teremos mais.
Por Lerissa Kunzler.

22 comentários:

  1. Eu já ouvi esse poema e acho ele bem divertido! Muito legal haha :)

    Beijos!
    http://heartbreaker-girls.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Divertido mesmo né?! hahaha
      Obrigada pela visita! :D

      Excluir
  2. Manuel Bandeira nunca deixa ser incrível. Os textos dele são perfeitos e com poucas palavras expressam o que o leitor sente. Adorei.

    =D
    http://mundo-restrito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente assim, Manuel Bandeira é brilhante!
      Obrigada pela visita! :D

      Excluir
  3. Oi Lery!
    Manuel Bandeira é incrivel, adoro esse poema.

    Beijos
    LiteraMúsicas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente, é um belo poema! :D
      Obrigada pela visita!!

      Excluir
  4. Assim como já foi dito: incrível! E olhe que eu geralmente não costumo gostar do Manoel Bandeira, não que pergunte o porque, rsrsrs
    muchdreamer.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha Pois é, mas esse poema é único!
      Obrigada pela visita! :D

      Excluir
  5. Engraçado, pois hoje fui na biblioteca e quase levei uns livros de poesia dele. Pelo menos está aqui uma poesia formidável. Gostei da forma como se dá vida "humana" ao trem. Não são os passageiros que vêem e sentem as coisas e a paisagem, e sim o trem. Também, a curta estrutura poética enfatiza a forma de locomoção do trem, como se importasse o som do movimento. Se Villa-Lobos usou os sons dos instrumentos musicais para descrever o mover do trem em "O Trenzinho Caipira", o poeta aqui conseguiu isso na poesia mágica das palavras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente, o poema é de fato cheio de vida, de ritmo e de movimento! E é justamente isso que o torna tão único e belo.
      Obrigada pela visita! :D

      Excluir
  6. Legal mesmo esse poema, ainda não conhecia!

    Beijos,
    Fer - http://viciosemtres.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, que bom que gostou!
      Obrigada pela visita! :D

      Excluir
  7. Oi Lerissa!
    Adorei esse poema e, realmente pude sentir como se eu estivesse em um trem com todos os sons e paisagens.
    Beijos

    versosenotas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha É justamente essa a sensação que o poema transmite! :D
      Obrigada pela visita!!

      Excluir
  8. Não conhecia esse poema ainda, mas ele é bem legal!
    Adorei o post.
    Gosto também dos poemas da Cecília.
    Beijos
    neversaynever-believe.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mais recentemente que ando procurando ler mais poemas e, por isso, não conheço muitos. Esse é um dos que mais gostei desde que o li pela primeira vez!
      Vou procurar ler alguns da Cecília, não conheço muitos! hahaha
      Obrigada pela visita! :D

      Excluir
  9. Passei e encontrei o seu blog, estive a ver e ler algumas coisas, não li muito, porque espero voltar mais algumas vezes, mas deu para ver a sua dedicação e sempre a prendemos ao ler blogs como o seu.
    Se me der a honra de visitar e ler algumas coisas no Peregrino e servo ficarei radiante,
    deixe um comentário, e se desejar fazer parte de meus amigos virtuais, esteja à vontade, irei retribuir.
    Mas por favor não se sinta coagido, siga apenas se desejar. Abraço.
    António.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, seja bem-vindo ao blog então! :D
      Realmente, me dedicar ao NMW é um dos meus melhores passatempos, fico feliz que tenha gostado!
      Obrigada pela visita!

      Excluir
  10. Não ligo muito pra poemas, mas muito bom esse!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova de "Dark Life" no blog, vem conferir!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é um poema que, pode-se dizer, é bem diferente do normal! hahaha
      Obrigada pela visita! :D

      Excluir
  11. hahaha só eu li como no castelo ra-tim-bum?
    bjos

    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha Eu não tinha pensado nisso, realmente! xD
      Obrigada pela visita! hahaha

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...